in

Finanças pessoais: especialista dá 5 dicas para reduzir despesas

person holding coin
Photo by maitree rimthong on Pexels.com

A paralisação de vários setores da economia por causa da covid-19, a falta de emprego – segundo o IBGE, no último trimestre de 2020, cerca de 13,4 milhões de brasileiros estavam desempregados – pesaram no bolso do consumidor. De acordo com dados da PEIC (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor) o percentual de famílias com dívidas em fevereiro chegou a 66,7%, um aumento de 1,6% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Uma das formas de evitar surpresas no orçamento e endividamento, é replanejar as finanças para se ajustarem aos recursos disponíveis. Por isso, a especialista em organização financeira pessoal do Investir, eu?, Simone Sgarbi, listou 5 dicas que podem ajudar na hora de reorganizar e diminuir as despesas:

Com o que estou gastando? 

O primeiro passo para reduzir despesas é realizar um diagnóstico completo da sua situação. Para isso uma planilha de gastos, como esta disponível aqui, pode ajudar bastante. Também é possível usar aplicativos para controle de despesas, como o Mobils ou o Organizze. 

Depois disso, você pode implementar alguns métodos de controle. Um muito eficiente é a técnica dos envelopes, em que no início de cada mês você separa um envelope para cada tipo de despesa, seja ela moradia, alimentação, saúde, transporte, etc. Escreva do lado de fora o valor máximo de cada uma e acompanhe semanalmente se está dentro do que você planejou.

Varejo ou atacado: a hora das compras 

Comprar no atacado só vai compensar quando você não estiver imobilizando um valor que pode faltar no final do mês. No mais, é possível combinar pequenas medidas que vão ajudar a otimizar o valor gasto nesse segmento:

  • Defina um valor para gastar por mês no supermercado e divida-o por semana. Anote o resultado e considere-o o valor máximo semanal que você pode usar para isso;
  • Antes de montar sua lista de compras semanal, olhe na geladeira, despensa e armários. Assim, será possível montar um cardápio que custe menos na semana seguinte;
  • Elabore um cardápio semanal. Leve em conta o que você ainda tem em casa e tenha preferência por frutas e legumes da estação, além de carnes com o custo menor;
  • Para limpeza você pode optar por marcas mais baratas, como marcas próprias dos mercados. Dá também para fazer produtos caseiros ou usar alternativas, por exemplo, bicarbonato e vinagre já são suficientes para limpar a casa toda;
  • Evite compras muito grandes, pois você vai usar um dinheiro que pode precisar mais tarde. Aproveite e pesquise os preços na internet antes de sair de casa, fazendo a lista caber no seu bolso; 
  • Vá ao mercado ou faça a lista somente quando não estiver com fome; 
  • Para aproveitar descontos dos atacadões, sem comprometer sua verba mensal, combine com vizinhos, amigos ou parentes criar uma lista em comum. Então, será possível dividirem os produtos e aproveitar os descontos. 

Comprar online ajuda mesmo? 

A facilidade das compras online pode representar um perigo real ao bolso do consumidor, principalmente durante uma pandemia. É legal fazer uma limpa no e-mail e descadastrar todas as lojas – geralmente, ao final do e-mail há uma opção para cancelar o envio desse tipo de comunicação. Ao fazer uma pesquisa de um produto na internet prefira usar o modo anônimo do seu navegador para evitar rastreamento e personalização de ofertas. 

Depois, comece a dificultar as compras por impulso. Vale retirar seus dados do cartão salvos em aplicativos e evitar decorar o número dos seus cartões. Dessa forma, toda vez que você for comprar algo, vai precisar ir atrás do cartão e, nisso, estará dando ao seu cérebro um tempo para repensar. Aqui vai uma dica de ouro: sempre espere pelo menos 24 horas antes de concluir uma compra. 

Como usar melhor os métodos de pagamento

Por questões de segurança quase não usamos dinheiro em espécie, porém, quando você não consegue controlar seus gastos a dor do pagamento é educativa. Nesse caso, vale aplicar a técnica dos envelopes mencionada na dica 1, para sentir que o dinheiro está sendo gasto. Já o cartão de débito é mais seguro, mas exige que você preste atenção no extrato para não cair em cheque especial, que é hoje um dos maiores juros do mercado. 

Contudo, se você já for uma pessoa organizada, é possível facilitar o controle das compras no cartão de crédito, visto que você pagará essas despesas em um único dia do mês, além de ter à mão todos os gastos descritos. Mesmo assim, sempre pague a fatura integral para que você não entre em uma bola de neve de dívidas. 

Tarifas bancárias e do cartão de crédito

Os bancos são obrigados a disponibilizarem uma conta essencial para todos os clientes, de forma gratuita. Na conta essencial, você tem consultas ilimitadas pela internet, 1 cartão do banco e 10 folhas de cheque, além de 4 saques, 2 extratos, 2 transferências bancárias por mês entre contras da mesma instituição. Caso faça muitas movimentações, você pode migrar para uma conta em um banco digital, sem cobrança de tarifas. 

Também é possível se livrar das tarifas de cartão de crédito. Se a instituição na qual você tem o cartão ainda cobrar a tarifa, entre em contato e peça a isenção. Se não aceitarem, troque para um cartão que não cobre essa taxa. Existem vários no mercado com essa opção. 

Escrito por Emanuel Negromonte

Fundador do SempreUPdate. Acredita no poder do trabalho colaborativo, no GNU/Linux, Software livre e código aberto. É possível tornar tudo mais simples quando trabalhamos juntos, e tudo mais difícil quando nos separamos. Agora, ele resolveu entrar pelo mundo das finanças, especialmente as pessoais!

Alexander Wang & Uniqlo’s Underwear Collection Is Available to Cop Now

pexels-photo-3483098.jpeg

Conheça as ações americanas mais compradas pelos brasileiros em fevereiro